A batalha de Refidim

No início da peregrinação, Israel enfrentou sua primeira batalha no deserto contra os amalequitas. Josué saiu às armas e Moisés subiu ao monte para interceder ao Senhor dos exércitos



Vale de Refidim: 1440 a.C

O acampamento israelita em Refidim foi palco da primeira batalha enfrentada pelo povo de Israel assim que se livrou do Egito. Essa batalha também foi a primeira liderada pelo jovem Josué. Ela está narrada em Êxodo 17.8-16. Nela, Deus coloca o seu povo para lutar, mas deixa bem claro que a vitória é conquistada pela intercessão ao Senhor dos Exércitos.

Por volta de 1440 a.C, Israel escapou da escravidão do Egito e tornou-se uma nação peregrina. Segundo Números 33.1-14, o povo acampou primeiramente em Sucote, em seguida em Etã, depois retornou e acampou em Pi-Hairote. Então, os israelitas atravessaram o mar, acampando no deserto de Mara. Na sequência, acamparam em Elim. Após Elim, acamparam no deserto de Sim, depois em Dofca, em Alus, e só então chegaram em Refidim. Ufa!

Após toda essa peregrinação, estavam bem próximos de chegar ao Monte Sinai, onde iriam receber as tábuas da Lei.

Tudo isso ocorreu em apenas três meses!

O deserto de Refidim

Refidim foi o local de um acampamento israelita entre o Egito e o Monte Sinai.

Nesse deserto, o povo reclamou de sede e, milagrosamente, Deus fez surgir água de uma rocha. O lugar de onde saiu água foi chamado de Massá e Meribá (Ex.17.1-8).

Também em Refidim, mas após a batalha contra os amalequitas, Moisés recebeu seu sogro Jetro, que o aconselhou a escolher líderes para o auxiliarem em seu trabalho (Ex.18).

Assim, em Refidim Deus ensinou muitas coisas a Israel. Entre elas, a dependência de Deus nas batalhas, pois foi nesse deserto que se travou a primeira delas, contra um povo nômade chamado de amalequitas.

Os covardes amalequitas

“Covardes”

Segundo Gênesis 36.12-16, os amalequitas são descendentes de Esaú (Edom), irmão de Jacó (Israel) e, portanto, primos dos 12 filhos de Israel. Amaleque era neto de Esaú, filho de Elifaz com uma concubina chamada Timna.

Os filhos de Amaleque se tornaram uma tribo beduína que vivia na região do deserto do Neguebe e de Sur, no Sul da Palestina. Essa era uma região pobre em recursos naturais. Por isso, quando viram Israel peregrinar pelos desertos, os amalequitas devem ter calculado que havia pouco oásis para muito povo. Uma hora ou outra os dois povos iriam rivalizar por água e, por isso, os primos de Israel resolveram se adiantar.

Para isso, eles utilizaram uma estratégia bastante covarde. Eles não tentaram um acordo, nem chamaram Israel para a guerra. Fizeram outra coisa. Diz assim Deuteronômio 25.17-18:

“Lembrem-se do que os amalequitas lhes fizeram no caminho, quando vocês saíram do Egito. Quando vocês estavam cansados e exaustos, eles se encontraram com vocês no caminho e eliminaram todos os que ficaram para trás; não tiveram temor de Deus. Quando o Senhor, o seu Deus, der a vocês o descanso de todos os inimigos ao seu redor na terra que ele lhes dá para dela tomar posse como herança, vocês farão que os amalequitas sejam esquecidos debaixo do céu. Não se esqueçam!”.

Os covardes amalequitas atacaram Israel por trás. Que covardes!

Surge um novo herói

“Josué contra os amalequitas”, Nikolas Poussin, 1625

Como vimos, a tribo dos amalequitas sentiu-se ameaçada com a presença dos israelitas no deserto. Assim, utilizaram uma estratégia bastante covarde para atacar Israel.

Enquanto o povo peregrinava, os amalequitas arrumavam emboscadas contra os últimos da caminhada, os mais fracos e cansados, e atacavam por trás, sem serem vistos e sem enfrentamento.

As lideranças de Israel logo perceberam e resolveram tomar uma atitude. Moisés chamou o jovem Oséias, que será conhecido como Josué.

O jovem era líder da pequena tribo de Efraim e, tal como todo o povo de Israel, era alguém sem qualquer experiência militar.

Naquela época, todo o povo de Israel era formado de ex-escravos. O povo não tinha armas sofisticadas, apenas paus, pedras e instrumentos de arado.

Mesmo assim, Josué aceitou o desafio e formou o primeiro exército de Israel, preparando o ataque contra os beduínos do deserto.

Assim foi a primeira vez que Josué apareceu na Bíblia.

O bordão milagroso de Moisés

“Vitória, ó Senhor”, por John Everett Millais, 1871

Mesmo que Moisés tivesse enviado Josué para preparar um exército, ele sabia que a vitória de Israel viria mesmo das mãos de Deus. O que ele deveria fazer, então?

Quando o Faraó negou a libertação de Israel, Deus ordenou que Moisés estendesse seu bordão de pastor, pois iria fazer prodígios por meio do dele (Ex.7.9). Quando o Mar Vermelho atrapalhou o caminho de Israel, Moisés também estendeu o bordão (Ex.14.16) e o mar se abriu. Quando o povo reclamou de sede, Moisés bateu na rocha com o bordão, e saiu água (Ex.17.5-6).

Por isso, mesmo sem Deus ter dado alguma instrução, Moisés decidiu:

“Amanhã tomarei posição no alto da colina, com a vara de Deus em minhas mãos” – Ex.17.9.

Moisés subiu em um monte e levou junto Arão e Hur. Arão era irmão de Moisés. Quanto a Hur, a tradição judaica o aponta como marido de Miriã e, portanto, cunhado de Moisés.

No monte, Moisés ergueu o bordão e, enquanto o mantinha erguido, tal como fizera na abertura do Mar Vermelho, Josué avançava vitorioso sobre os amalequitas. Mas, como a batalha se prolongava, Moisés se cansava e abaixava os braços. Daí os amalequitas avançavam e venciam sobre Israel (Ex.17.11).

Por isso, Arão e Hur pegaram uma pedra para Moisés se sentar e ambos seguraram os braços de Moisés (Ex.17.12).

A peleja durou até o sol se pôr, quando, finalmente, “Josué derrotou o exército amalequita ao fio da espada” – Ex.17.13.

Mexeram com quem não deviam

Os amalequitas não suspeitavam da encrenca que era enfrentar o povo de Deus.

Deus ficou tão irado com os primos de Israel, que decretou: “Escreva isto num rolo, como memorial, e declare a Josué que farei que os amalequitas sejam esquecidos para sempre debaixo do céu” – Ex.17.14.

Deus decretou que iria destruir a nação amalequita e pediu que se registrasse para que Israel se lembrasse do ocorrido. Provavelmente, Moisés cumpriu essa ordem criando o livro perdido “Livro das Guerras do Senhor” (Nm.21.14).

Além do livro, Moisés construiu um altar como memorial que chamou de “O Senhor é minha bandeira” (Ex.17.15). Uma curiosidade é que a palavra hebraica para “bandeira” é a mesma para “bordão”.

Afinal, Moisés reconheceu que não foram as habilidades de Josué, nem o esforço de Arão e Ur, nem seus braços erguidos que trouxe a vitória. Mas o Senhor, representado no bordão erguido.

E eu com isso?

Nesse episódio, a Bíblia nos ensina que o povo de Deus deve lutar as batalhas do Senhor, mas nunca deve se esquecer da intercessão constante e da dependência do Senhor.

Você está lutando corajosamente as batalhas do Senhor? Não esqueça de orar a Deus, de pedir o seu auxílio e a sua força, só assim você terá vitória sobre os covardes amalequitas.

Além do mais, esse episódio nos lembra de algo ainda mais importante. Enquanto lutamos nossas duras batalhas, devemos ser encorajados como Josué foi. Josué olhou para Moisés e venceu, e nós devemos olhar para Jesus. Ele intercede por nós, com os braços incansavelmente erguidos em nosso favor.

Confira:

Consulta

História de Israel, Samuel Schultz – Vida Nova
Novo Comentário da Bíblia, F. Davidson
Manual Bíblico Unger, Vida Nova
Bíblia de estudo de Genebra

Infocard

batalha_refidim


E aí, gostou desta postagem? Então compartilha com aquele seu primo que você vive em pé de guerra!

Comente o que achou!