Quem foram os publicanos?

Jesus andava com corruptos? Os publicanos tiveram uma atenção especial de Jesus e por isso tiveram suas vidas transformadas. 

Os evangelhos citam algumas vezes um grupo de profissionais chamados de publicanos que suscitavam diferentes sentimentos. Os fariseus, por exemplo, chamavam-os de “pecadores”, mas Jesus os recebeu e comeu com eles. Eles, por sua vez, receberam Jesus com alegria.

Confira que grupo é esse, tão odiado pelo povo, mas que estiveram entre os discípulos e até apóstolos de Jesus!

Cobradores de impostos e “pecadores”

“O chamado de Mateus” por Caravaggio

Quando falamos em publicanos, precisamos diferenciar duas classes semelhantes, mas com diferenças bem importantes.

A primeira classe de publicanos era formada de homens muito ricos, normalmente romanos, que venciam o leilão para adquirir o direito de cobrar os impostos em determinada região.

O Império Romano não entregava a cobrança de impostos a oficiais, mas arrendava o direito de cobrança de impostos para quem desse o maior lance para tal. Assim, o arrendatário pagava adiantado uma parte da soma dos impostos que ainda iria colher de determinado distrito. Esse era o publicano.

Depois disso, os publicanos recebiam o direito de cobrar os impostos e, evidentemente, cobravam taxas inflacionadas. Muitas vezes, cobravam um valor muito maior do que o devido, já que não havia um preço fixo do quanto poderiam cobrar.

Zaqueu provavelmente foi esse tipo de publicano, da região de Jericó, pois ele é chamado de “chefe dos publicanos” (Lc.19.2), apesar de ser um judeu.

“Chega de cobradores de impostos”

Já a segunda classe de publicanos era de trabalhadores contratados pelos primeiros, normalmente judeus e não tão ricos quanto aqueles. Eram esses que faziam as cobranças de fato das taxas e dos impostos. Sentavam em suas coletorias e eram acompanhados de soldados romanos.

Essa segunda classe de publicanos era ainda mais odiada do que a primeira, pois era formada de judeus aliados a romanos, e por isso eram considerados tanto ladrões quanto traidores do seu povo. Eram chamados de “pecadores” (Mt.9.10-11).

Mateus, um discípulo de Jesus e um dos Doze apóstolos, era um desses publicano contratado de Carfarnaum (Mt.9.9).

Jesus e os publicanos

Embora muitos fossem realmente corruptos e ladrões, os publicanos mostraram-se sensíveis à mensagem do evangelho desde o início. Ainda quando João Batista pregava, eles já se aproximavam arrependidos:

“Alguns publicanos também vieram para serem batizados. Eles perguntaram: “Mestre, o que devemos fazer? ” Ele respondeu: “Não cobrem nada além do que lhes foi estipulado” – Lc.3.12-13.

De forma especial, Jesus foi muito sensível a eles.

“O chamado de Levi” por
Hendrick ter Brugghen, 1621

O primeiro publicano discípulo de Jesus relatado nos evangelhos foi Levi, também chamado de Mateus, que virá a se tornar um dos Doze apóstolos de Jesus. Sem que ele mesmo o procurasse, Jesus se aproximou dele enquanto pregava e o chamou para segui-lo. O publicano ficou tão feliz que organizou uma festa para ele e convidou os seus companheiros de trabalho, outros publicanos.

Por essa ousadia, os fariseus ficaram furiosos e começaram a caluniar Jesus, dizendo: “Por que o mestre de vocês come com publicanos e ‘pecadores’?” – Mt.9.11.

E Jesus mesmo respondeu:

“Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas sim os doentes. Vão aprender o que significa isto: ‘Desejo misericórdia, não sacrifícios’. Pois eu não vim chamar justos, mas pecadores” – Mt.9.12-13.

“Zaqueu esperando Jesus”, por James Tissot

O segundo publicano discípulo de Jesus relatado nos evangelhos é o chefe deles em Jericó, o baixinho chamado Zaqueu.

Talvez ele tivesse ouvido sobre Mateus como um discípulo de Jesus e isso o fez interessar-se ainda mais a conhecer aquele Jesus. Quando Jesus passou por Jericó, Zaqueu subiu numa figueira para poder enxergar o seu futuro mestre.

Vendo isso, Jesus aproximou-se do baixinho e, olha só, se convidou para comer na casa dele! Zaqueu ficou muito feliz com aquilo, pois era um homem desprezado pelo seu próprio povo. Esse mesmo povo que começou a criticar Jesus por ter feito aquilo: “Ele se hospedou na casa de um ‘pecador” (Lc.19.7).

Para nossa surpresa, Zaqueu não somente se converteu a Jesus, como disse que distribuiria seus bens aos pobres e ressarciria quatro vezes mais a qualquer pessoa que ele porventura houvesse roubado (Lc.19.8).

E disse Jesus, escandalizando a multidão:

“Hoje houve salvação nesta casa! Porque este homem também é filho de Abraão. Pois o Filho do homem veio buscar e salvar o que estava perdido” Lc.19.9-10.

Fariseus e publicanos

“O fariseu e o publicano”, por James Tissot

Devido ao seu rigor religioso, os fariseus eram os maiores opositores dos publicanos. Houve uma ocasião em que Jesus colocou ambos, fariseus e publicanos, em oposição, através de uma parábola. Isso deve ter doído no estômago.

Confira:

“Dois homens subiram ao templo para orar; um era fariseu e o outro, publicano. O fariseu, em pé, orava no íntimo: ‘Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens: ladrões, corruptos, adúlteros; nem mesmo como este publicano. Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho’. “Mas o publicano ficou à distância. Ele nem ousava olhar para o céu, mas batendo no peito, dizia: ‘Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador’. “Eu lhes digo que este homem, e não o outro, foi para casa justificado diante de Deus. Pois quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado” – Lc.18.10-14.

Nessa parábola, Jesus colocou o publicano e o fariseu em oposição, não pelo que fizeram nem por serem publicanos ou por serem fariseus, e sim pelo modo como se aproximaram de Deus. Um, com orgulho; o outro, com humildade. E por causa da humildade, o publicano foi chamado de justo por Jesus.

E eu com isso?

Jesus encontrou-se com muitas pessoas e com muitos grupos durante o seu ministério. De todos os seus encontros, ele deixou claro que o que separa as pessoas de Deus não são o que elas fazem, mas sim a atitude que tomam quando se encontram com Jesus. Com arrependimento e humildade, ou com orgulho e rebeldia.

Até mesmo o mais religioso dos grupos não será recebido por Jesus se não houver arrependimento. Até o mais corrupto dos ladrões será recebido por Jesus se ele se aproximar com a alegria de Mateus e de Zaqueu, e com o coração humilde como o do publicano da parábola.

Consulta

Enciclopédia da Bíblia – Cultura Cristã
Novo Dicionário da Bíblia, John Davis – Hagnos
Dicionário Ilustrado da Bíblico, Ronald F. Youngblood – Vida Nova
Enciclopédia Bíblica Ilustrada – SBB

Infocard

Comente o que achou!